sábado, 26 de abril de 2014

O papel que nos embrulha

No portal, ele deu de cara com o amigo de tantas vidas.
Já não lembrava mais em qual delas ele havia sido 
padre e o outro, escriba. 
Ele agiota, o outro, cafetina. 
Ele bailarina, o outro, juiz.
Ele disse que jamais voltaria a ser embrulhado.
- Papel, agora, só de direção!
O outro, cabisbaixo, respondeu.
- Foi o que prometemos da última vez.
E lá foram ambos para a fila, pegar a senha, 
decorar o script, aguardar o chamado.
Nova tentativa de escapar da ficção.

virginia finzetto





quinta-feira, 20 de março de 2014

folhinha 2014

ou tô no verão,
ou tô no inverno,
outono meio
da estação vida...
quantas folhas mais
virão?

virginia finzetto
da estação vida
quantas folhas mais
virão?

domingo, 16 de março de 2014

Nomes musicais

Quando a cegonha se anuncia
surge a dúvida: nomear.
Pra quê?, pergunto eu, se no final
vem um anjo sem sexo,
uma nota musical.
Dora é Dó, Regina é ré,
Michelle é mi, Fábio é fá,
Solange é sol, Laura é lá,
Simone é si...
E nessa espiral,
oitava abaixo, oitava acima,
de bemóis e sustenidos,
tem mais:
má, mel, vi, cá, já, ju, gi,
cris, li, mô, ti, gê, lu, rá, di...
e outras notas que tais. 
Virginia Finzetto

quinta-feira, 13 de março de 2014

ALI & Nígena

Quando olhei para o céu,
vi duas caras juntinhas,
uma parecia um ET
e a outra, advinhas?
Era o Tonico, sem o Tinoco,
com a viola na mão...
Notas musicais saíam do oco,
devia ser caipira a canção.
Certeza que o firmamento
é fantasia, filme de ficção,
naves cruzando o espaço
alienígenas em confraternização.

Virginia Finzetto