domingo, 30 de outubro de 2016

GRAVIDADE


o universo é um parque de diversão

repleto de bacias de algodão doce

formando nuvens e galáxias

enroladas em palitos invisíveis

servidas a buracos negros

enquanto nós somos

só ideias

cromossomos

memórias grudadas 


no pó [de açúcar] estelar

fazendo as delícias

desse festival


[g]astronômico


virginia finzetto

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

JOGO

eu perdoo
porque jogamos
de igual para igual
em campo minado de joio
como opostos elos
do mesmo flagelo
a disputar tortas verdades
de frágeis egos
mas é a plateia a cega que
enquanto esconde suas vergonhas
prefere um a outro


virginia finzetto

in Desaforismos, lançamento em 2017

terça-feira, 11 de outubro de 2016

TATO

Sim, é verdade, eu quero te impressionar. E quero fazer isso com precisão. Quero deixar todas minhas digitais espalmadas na tua pele. Mas não penses em violência, apenas na firmeza que é ter tua bunda grudada por um tempo exato em minhãs mãos...
virginia finzetto

domingo, 9 de outubro de 2016

ANAMNESE

não gosto do morno
mas também não suporto o frio
sequer o muito quente
não passo roupa
e deixo a louça secar ao vento
que também balança a roupa no varal
e tudo fica com cheiro do sol
o queimado do leite derramado
sobre a grelha do fogão
acaricia meu olfato
mas limpar tudo, eu aprecio não
gosto do azedo, do salgado e pouco do amargo
mas doce, ah, o doce... do doce eu gosto muito
como gosto do V
mas amar mesmo eu amo o M
como amei o N, o D, o R, o C...
não sei as voltas que os mundos darão
e quantas vezes na roda dos signos
comi de cada um com amor e tesão
mas sei que giro e não faço contas
e mesmo assim você diz me conhecer?


virginia finzetto