terça-feira, 30 de maio de 2017

INTRANSITIVOS


a chuva é para são pedro como a lágrima é para a menina dos olhos. tempo em que trovões são como lamentos, ambos a pedir atenção e silêncio para acolher o justo sentido que jaz intransitivo. não está acostumado a ouvir recados aquele que se apega a qualquer antes, alheio ao efêmero de todo instante sempre aguardando um mesmo depois. 


virginia finzetto

quinta-feira, 25 de maio de 2017

MERENCÓRIA

em tardes mornas, lembro de mim na calçada ouvindo os barulhinhos da noite chegando e a contumaz merencória que descia para me abraçar. eu era criança, e tudo o que sentia era uma profunda e inexplicável saudade de casa. mas eu nunca havia estado em outra casa... e esse aperto solitário durava o infinito do trajeto dos ponteiros do relógio a percorrer exatos trinta minutos, que coincidia com a ave-maria que minha avó recitava religiosamente todos os dias. eu entrava para ouvi-la murmurar e, só assim, no recato da prece de seu colo, toda minha ausência podia ser dissolvida. 

virginia finzetto

terça-feira, 16 de maio de 2017

GÊNESIS

quero ver você solto no espaço, viajando infinitamente pelo vácuo escuro entre as constelações, sem ter com quem conversar. quero ver você acordar e achar que teria sido melhor contribuir, sem reclamar, atendendo aos apelos daquele pastoreco, aquele que arranca tesouros dos fiéis sem jamais ter se questionado sobre quem de verdade habita seu próprio coração. quero ver você suportar o vazio de sua zona de desconforto puxando pela memória qualquer canção do Roberto. quero ver seu mundo cair e não restar data alguma para comemorar. porque tudo é absolutamente o insuportável nada. e o nada precisa ser preenchido com doses absolutas de qualquer tudo

virginia finzetto