sábado, 16 de setembro de 2017

FLUIR

comporta
a palavra
escrita

o movimento
das águas
tão hábil é
a escolher
sentidos
que despistem
o (dis)curso efêmero
das falas



virginia finzetto

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

A BARRA DE SER LEITOR

QUANDO LHE ENSINARAM as primeiras letras, nada era diferente dos rabiscos que vinha praticando desde os seus primeiros anos de vida. Ao lado das figurinhas coloridas, as garatujas também faziam parte de uma mesma coleção, na qual todos os elementos carregavam um único e preciso significado. Em sua maioria, esses esboços davam nome às coisas, àquelas que povoavam seu mundo, ainda, de restrito saber de um iniciante. Coisas e nomes estavam tão unidos entre si, que era difícil identificar onde começava um e onde terminava outro.
Com o conhecimento das letras e dos números não seria diferente. No início, o abecedário era uma novidade ímpar, continuidade dos costumeiros traços que se somavam à rotina. E sua retina registrava exatamente o que ouvia: som e imagem, escrita e figura, como na frase “vovô viu a uva”.
No entanto, aquele caminho suave, sem surpresas, logo começou a apresentar as primeiras linhas curvas, à medida que as palavras eram percorridas pelo lápis em seu movimento de descrever a escrita a mão. A cursiva ia substituindo os ângulos retos e duros das letras em bastão, ângulos do entendimento primário, ângulos agora transformados pelos desdobramentos infinitos de um conhecimento que crescia passo a passo. Entendimento cumulativo, que instigava a procura por outras leituras, abrindo as portas do futuro universo gráfico, impresso e digital.
Da cartilha ao cartaz, do abecedário à união das letras em famílias silábicas, da frase ao parágrafo, de repente, deparava-se consigo dando um salto de percepção de composições até então desconhecidas, das regras da gramática e das relações possíveis da sintaxe que conduziam cada palavra. Não, definitivamente não era um aprendizado que se extinguiria ao término de um ano letivo, quiçá de vários…
Bulas, bilhetes, cantigas, receitas, manuais, parlendas, HQs, livros… Aos poucos, a leitura passou a ser a protagonista de sua história. Ela, em si mesma, personagem-cicerone de um mundo de misteriosos nomes a saciar a curiosidade crescente de mais um leitor.
E aquela palavra, outrora única, extrapolaria agora a singular e conhecida figurinha colorida de sua coleção de infância.
Agora a palavra correria além… Da fiel estampa ao figurativo, do status de carro-chefe à pole position de uma enorme fila de sentidos alegóricos, todos a desfilar pela sua mente.
Agora, seu ser entenderia que o domínio da leitura exige sagacidade maior para a interpretação dos símbolos. Seria preciso compreender os espaços em branco, as pausas, a combinação sutil das letras nas linhas e as nuances de suas entrelinhas a acomodar cada termo, enxergar os signos ocultos da sentença do outro. Esse é o momento da percepção de que a leitura extrapola a letra, a palavra, a frase, o parágrafo, o texto, o si mesmo.
Agora ser leitor é se transformar em protagonista na apreciação de uma esfera imensa denominada literatura. Dele espera-se fazer jus o papel de apreciador, a embalar vasta produção com seu olhar discriminatório. Entre terminados e abandonados, somente a ele cabe o destino de elaborar a lista do que irá compor a galeria dos escolhidos.
O leitor contemporâneo, por um lado, é um privilegiado nessa mina da quantidade, mas apenas se souber garimpar o ouro verdadeiro. Apartado de sua alma-guia, ele poderá enveredar pelo mecânico caminho de ser mais um leitor óptico a identificar barras.
Virginia Finzetto
crônica publicada na revista Plural Inéditos & Dispersos

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

AMAZÔNIA DEFLORADA

país das costas largas
aviltaram seu centro
colocaram um cérebro de réptil
no lugar do coração
onde caberiam tantos
agora, de assalto, seu pulmão arrombam
no tamanho de outra nação
não temos pernas para só correr
há braços, como tentáculos do po(l)vo
querendo sua proteção
brasil, que esses não são dignos
da grande mãe que lhes pariu

virginia finzetto

DEVOLUÇÃO

por que toda vez que eu resolvo me entregar esqueço de conferir o endereço? número errado, dados insuficientes, mudança repentina do destinatário. devolvida e toda amassada, volto pra casa rabiscada e carimbada. 

virginia finzetto

APAIXONAR, VERBO IRREGULAR

fantasiar é bom...
e eu sei que é paixão porque depois de três dias ainda não consegui dobrar direito a perna. e a cabeça continua fora do lugar, que nem me lembro onde devo ter largado minha calcinha. e se eu fosse enterrada hoje, minha boca precisaria ser costurada, pois é muita bandeira este riso perpétuo de satisfação. ah, nada como um amante atrás do outro, dia sim, dia não. 


virginia finzetto

DESAFORISMO

não só vendeu a alma ao diabo. vendeu tudo o que não era seu, em pactos, em espúrios contratos e em tratos, que fizeram corar até​ o diabo, que, finalmente ofendido, a ele também se rendeu. o maligno. 

virginia finzetto

DE LUA

da janela 
a noite se despede
vejo no adeus da lua
sua última piscadela


virginia finzetto