quarta-feira, 18 de novembro de 2015

ALEGORIA GRAMATICAL


Naquele dia, as palavras adquiriram outra expressão. Cansadas de seu significado, de ouvirem seu santo nome em vão, faltando partes, designando equívocos, elas promoveram uma revolução liderada pelos verbos, a classe que sempre se destacava pela ação. Nesse motim, eis que surge uma questão de ordem. No caso, de ordem existencial, encabeçada pelo pequeno, mas representativo, grupo dos pronomes. Entretanto, quem conseguia dar conta de resolver o problema do EU, que já passava da casa dos 7 bilhões de reivindicados? Mesmo com o apoio irrestrito do NÓS, parceiro único na primeira pessoa, agraciado com o título de “o senhor da síntese”, o EU - em si mesmo e a nível dele próprio - se sentia injustiçado, dividido, despersonalizado. Nesse momento, todas as palavras se olharam entre si, apavoradas. Uma desistência daquele porte colocaria tudo a perder. Lidar com as questões externas tendo um problemão de ordem interna como esse do tal de EU? 


Enfim, as reuniões por categoria promoveram um rebuliço no dicionário, um trança-trança, um mexe-mexe. Algumas páginas ficaram tão atoladas de palavras, que elas precisaram se ajustar, até se espremerem em corpo, eliminarem os espaçamentos entre linhas e entre letras. Enquanto outras páginas, totalmente vazias, arejadas, tornaram-se propícias a áreas de lazer, as prediletas de certos substantivos que conseguiam escapulir do rebu, como amor, planta, animal e criança, só alguns exemplos.


Porém, a despeito de toda e qualquer oração, havia a galera insubordinada, formada pelas palavras profanas que não estavam nem aí com o sentido sacro da conversa ou o rumo do movimento. Variáveis e volúveis. Não eram palavras de palavra! Eram rebeldes provenientes de todas as classes, e formavam um grupo à parte.
Entre brincadeiras e jogos de palavras, elas assumiam qualquer papel. E assim foi que, tomando a dupla central vazia do dicionário, resolveram promover um grande baile, uma dança de salão. Aos poucos, os pares foram se formando sem preconceito de classe, gênero ou compatibilidade fonética. Alguns casais eram muito afim entre si, outros nem tanto. Apenas atraídas pelo desprendimento da diversão, juntaram-se “comigo-ninguém-pode-pica-pau”, “vez-passada”, “havia-dado” “moça-fada”, “abunda-pita”, “escudo-humano” “Itaipu-tinha...  E as parelhas debochadas iam deslizando pelas folhas em branco, ao som de gritinhos, risos e aplausos. Um espetáculo singular nunca antes escrito.

Tanta baderna acabou chamando a atenção do plenário organizado na página vizinha, formado pela sisuda classe inflexível. Rapidamente, algumas representantes dessas invariáveis vieram tomar satisfação. Dominadas pela rigidez, atropelando-se em suas próprias palavras, elas partiram pra cima das que fugiam à regra. De repente, como iluminuras, as beiradas da dupla de folhas em branco foram sendo invadidas por dezenas delas querendo baixar normas e atos de exceção para implantar a Nova Ordem Mundial da gramática! 

Advérbios e preposições por todos os lados faziam um cordão de isolamento para conter as folionas rebeldes, enquanto as conjunções sempre atentas ao apelo das interjeições - Calma! Atenção! Socorro! - arriscavam um meio de campo, uma negociação entre o senão e o talvez.

O cerco ia se fechando quando rapidamente, pelo rodapé, sobe um exército de monossílabas em fila feito formigas cruzando as páginas, acompanhado por dó ré mi fá sol lá si, cordão musical pra puxar a marchinha de protesto. As tônicas cantavam em alvoroço enquanto as átonas batiam palmas para marcar o contratempo com palavras de ordem em tom de malícia. Fazendo jus ao tamanho, o recado foi curto e grosso: sol dó si mi ré lá! 

Eram as palavrinhas ‘dando’ apoio aos palavrões.

No final do embate, 12 apóstrofes, entre oxítonas, paroxítonas e proparoxítonas, foram responsabilizadas pelo paroxismo e capturadas pelo caça-palavras.



Encontre, em qualquer sentido ou direção, cada uma das presas no quadro de letras ao lado e, se quiser, escreva o nome delas no campo dos comentários.   

 virginia finzetto

Nenhum comentário:

Postar um comentário